ENVIAR A UMA AMIGO

X

Resultados da EDP Renováveis no 1º trimestre de 2013: Lucro sobe 39% para 89 milhões de euros, EBITDA cresce 24% para 327 milhões de euros

Resultados da EDP Renováveis no 1º trimestre de 2013: Lucro sobe 39% para 89 milhões de euros, EBITDA cresce 24% para 327 milhões de euros

Receitas aumentam 20% para 415 milhões de euros

A EDP Renováveis (Euronext: EDPR), líder global no setor de energias renováveis e o terceiro maior produtor mundial de energia eólica, anunciou hoje que, no primeiro trimestre de 2013, a sua produção de eletricidade subiu 10% face ao período homólogo para 5,8 TWh, como resultado do aumento de capacidade ao longo dos últimos 12 meses (+579 MW) e da ampliação do índice de produção média (factor de utilização) para 36%, um dos mais elevados do setor. A EDPR alcançou uma capacidade instalada de 8,1 GW durante o primeiro trimestre do ano devido ao alargamento de 76 MW durante o período. Estes resultados evidenciam um forte desempenho.

Durante o primeiro trimestre de 2013 as receitas subiram 20% para 415 milhões de euros, ultrapassando o crescimento da capacidade devido tanto ao aumento da produção como à subida de 10% no preço médio de venda. O EBITDA cresceu 24% em termos homólogos para 327 milhões de euros, o que resultou numa margem EBITDA de 79%, ou seja, 3 pontos percentuais superior à margem do primeiro trimestre de 2012. Os valores do EBIT mostram um crescimento de 40% em termos homólogos para 209 milhões de euros como resultado do desempenho do EBITDA e do acréscimo de 3% da depreciação e amortização líquida dos ativos.

O lucro durante o período aumentou, numa base comparável e recorrente, 39% em termos homólogos para 89 milhões de euros, refletindo o sólido desempenho operacional.

O cash flow operacional subiu 12% em termos homólogos para 227 milhões de euros no primeiro trimestre de 2013, o que cobriu largamente o capex de 38 milhões de euros.

Em 2013 a empresa tenciona continuar a optimizar as operações da sua atual carteira, e centrar-se na gestão regulatória. O crescimento será seletivo, procurando as melhores oportunidades e os países mais atrativos.