ENVIAR A UMA AMIGO

X

A comunidade de Castilla y León, a EDP Renováveis e a Fundación EDP põem em marcha um programa de conservação do milhafre-real

A comunidade de Castilla y León, a EDP Renováveis e a Fundación EDP põem em marcha um programa de conservação do milhafre-real

Madrid, 24 de novembro de 2015: O diretor-geral do meio ambiente de Castilla y León, José Ángel Arranz, acompanhado pelo representante da EDP Renováveis para a região, David Abascal, apresentaram esta manhã, em conferência de imprensa, o programa de conservação do milhafre-real (Milvus milvus) na Comunidade.

O milhafre-real é uma das aves de rapina continentais com uma distribuição mais restringida, centrada na Europa a oeste dos Urais, especialmente na Alemanha, França e Espanha, zonas em que se concentra 90% da população mundial. Para além de albergar uma importante população reprodutora, Espanha é a principal área de invernada das populações de latitudes mais a norte.

O III censo nacional realizado em 2013-2014 foi coordenado pela Sociedad Española de Ornitología e serviu para conhecer a respetiva distribuição, estatuto e estado de conservação da população reprodutora e invernante. O censo relativo à população invernante foi conduzido por diferentes grupos e associações de ornitologia, mas o censo da população reprodutora foi realizado pela comunidade de Castilla y Léon.

A Comunidade possui uma população de 1.298 casais reprodutores e 25.300 exemplares invernantes, o que pressupõe uma percentagem de 56,14% e 50,30%, respetivamente, no que respeita às populações totais existentes em Espanha. Em ambos os casos, as províncias de Salamanca e Zamora são as que mais milhafres-reais acolhem nos seus território.

Segundo afirmou David Abascal, representante da EDP Renováveis na região, na apresentação do programa: “o compromisso da EDP Renováveis com o meio ambiente e sociocultural nas comunidades em que operamos é total e faz parte dos pilares de ação da empresa. Estamos especialmente satisfeitos por, em conjunto com a Fundación EDP, podermos colaborar com a Junta de Castilla y León nesta iniciativa determinante para a conservação do milhafre-real.”

No desenvolvimento integral do programa, foram estabelecidas 5 linhas mestras de ação:

Ampliar o conhecimento da biologia do milhafre-real, fundamentalmente por intermédio de  procedimentos de marcação e radiosseguimento de vários exemplares (4), de forma a conhecer os movimentos locais, dispersivos e migratórios, e o uso que fazem do território, a disponibilidade de recursos tróficos e os fatores de mortalidade natural. O programa também contempla a instalação de uma câmara de vídeo num ninho e a elaboração de uma cartografia específica de grande utilidade para o referido estudo.

Empreender ações que favoreçam e incrementem os recursos tróficos, especialmente nos municípios incluídos na ZPAEN (zonas de proteção para a alimentação de espécies necrófagas de interesse comunitário) com presença de milhafre-real, nas províncias de Burgos, Palência, Leão e Zamora. Esta ação inclui a identificação dos locais mais adequados para a sua alimentação, reuniões de informação e assessoria dirigida a explorações pecuárias, cooperativas agrícolas, etc. Também contempla o projeto e construção de um ponto piloto de alimentação específico para o milhafre-real, que facilitará a sua alimentação nas comarcas onde haja  escassez de presas.

Para determinar as incidências das infraestruturas elétricas e dos aerogeradores, serão efetuados relatórios de forma a obter uma radiografia das zonas de maior mortalidade e risco de envenenamento do milhafre-real, incluindo as subsequentes medidas de correção e valorização económica da sua colocação em marcha. O objetivo é a diminuição da mortalidade natural.

Aumentar a vigilância e minimizar as perturbações durante o período reprodutivo e durante a sua permanência nos dormitórios invernais e o fomento dos programas de divulgação e sensibilização da sociedade, são as últimas ações a executar, para as quais se realizarão oficinas de educação ambiental e sensibilização junto da população local, das escolas e empresas de alguma forma afetadas pela conservação desta espécie. Diferentes jornadas técnicas sobre a biologia e os protocolos de envenenamento introduzirão a problemática aos agentes envolvidos no programa.