WindFloat Atlantic dá início à instalação do primeiro parque eólico flutuante

edpr news

windfloat_atlantic

WindFloat Atlantic dá início à instalação do primeiro parque eólico flutuante

Segunda-feira 21, Outubro 2019

A primeira unidade WindFloat Atlantic – que tem a maior turbina eólica offshore do mundo numa plataforma flutuante – partiu em direção ao seu destino final ao largo da costa portuguesa de Viana do Castelo onde irá entrar ao serviço o parque eólico flutuante.
 
O projeto vai acelerar a implementação comercial de tecnologia WindFloat® inovadora que aproveita a abundância dos recursos eólicos em águas profundas e de transição até agora inacessíveis. O projeto WindFloat Atlantic constitui um marco importante para a indústria, dado que este é o primeiro parque eólico flutuante semi-submersível do mundo.

Dado que pode ser implementada em águas muito profundas, esta tecnologia WindFloat® pode aproveitar recursos energéticos em vastas áreas do mar, dando resposta aos desafios cruciais da sociedade tais como a transição para energias limpas, a segurança energética e as alterações climáticas, proporcionando trabalhos, crescimento económico e oportunidades de investimento sustentável. 

O Windplus é um consórcio constituído pela EDP RENOVÁVEIS, ENGIE, REPSOL e PRINCIPLE POWER.

 

Lisboa, 21 de octubro de 2019: A primeira plataforma WindFloat Atlantic com a turbina totalmente instalada partiu hoje do Porto de Ferrol, em Espanha, em direção ao seu destino final a 20 km ao largo da costa de Viana do Castelo, Portugal. Assim que chegarem ao local final, as três estruturas flutuantes, com 30 metros de altura e 50 m de distância entre cada uma das colunas, vão ser instaladas constituindo assim o parque eólico flutuante da Europa continental.

A estrutura que partiu do anteporto de Ferrol compreende uma plataforma flutuante e uma turbina eólica, a maior instalada numa superfície com estas características até à data. Nos próximos meses, serão adicionadas mais duas plataformas para completar o parque eólico que, com uma capacidade instalada total de 25 MW, será capaz de produzir eletricidade suficiente para fornecer o equivalente a 60 000 utilizadores por ano.

Acerca do WindFloat Atlantic

O projeto é liderado pelo consórcio Windplus, constituído pela EDP Renováveis (54,4%), Engie (25%), Repsol (19,4%) e Principle Power Inc. (1,2%). O parque é composto por três turbinas eólicas assentes em plataformas flutuantes ancoradas ao fundo do mar apenas com correntes a 100 metros de profundidade. Inclui ainda tecnologia de ponta que minimiza o impacto ambiental e facilita o acesso a recursos eólicos inexplorados em águas profundas. Esta tecnologia tem vantagens mais vastas que aumentam a sua acessibilidade e a relação custo-eficácia, incluindo a aptidão para montagem em doca seca e reboque sem necessidade de rebocadores especializados, ou as vantagens de não ter de depender de operações offshore complexas associadas à instalação das estruturas tradicionais de base fixa. 

O projeto WindFloat Atlantic vem na esteira do sucesso do protótipo WindFloat1 que esteve em funcionamento de 2011 a 2016. O protótipo de 2 MW produziu energia ininterruptamente ao longo de cinco anos com sucesso, sobrevivendo completamento ileso a condições climatéricas extremas, incluindo ondas de até 17 metros de altura e ventos de 60 nós.

O transporte da primeira das três estruturas flutuantes que compõem o parque eólico flutuante em Viana do Castelo é por si só um feito assinalável, uma vez que evita a necessidade de utilização de rebocadores especializados especificamente para este processo. Esta vantagem, juntamente com o processo de amarração simples, torna possível replicar esta iniciativa noutras áreas geográficas e facilita a fase de comissionamento, independentemente das fronteiras geográficas. 

O WindFloat também pode acomodar as maiores turbinas eólicas comercialmente disponíveis numa estrutura flutuante no mundo com quase 9 MW cada, ajudando a aumentar a produção de energia e a impor reduções significativas nos custos de ciclo de vida.

As plataformas foram construídas em cooperação entre os dois países da Península Ibérica: duas das plataformas foram fabricadas nos estaleiros de Setúbal (Portugal) e a terceira nos estaleiros de Avilés e Ferrol (Espanha). O projeto usa tecnologia WindFloat inovadora que permite que as plataformas eólicas sejam instaladas em águas profundas, inacessíveis até à data, onde os recursos eólicos abundantes podem ser aproveitados. 

Esta iniciativa teve o apoio de instituições públicas e privadas, incentivando as empresas que são líderes nos seus respetivos mercados a participar no projeto, com o apoio financeiro do Governo de Portugal, da Comissão Europeia e do Banco Europeu de Investimento. 

Os parceiros que possibilitaram este projeto são a Principle Power, a joint venture entre a Navantia/Windar, o Grupo A. Silva Matos, Bourbon, o fornecedor de turbinas eólicas Vestas MHI e o fornecedor de cabos dinâmico, a JDR.